Os benefícios do consumo de iogurte para a saúde

por Liliane Machado

    O iogurte é um alimento obtido pelo processo de fermentação do leite, contendo lactose digerida e cepas viáveis de bactérias, tipicamente Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus (Bodot, Soustre, Reverend, 2013). Outras cepas bacterianas, como o Lactobacillus acidophilus e o Bifidobacterium bifidus, são frequentemente adicionadas a este alimento por seus efeitos benéficos à saúde (Fernandez, Marette, 2017).Trata-se de um alimento probiótico rico em nutrientes, promotor de inúmeros benefícios à saúde e com propriedades únicas. De forma geral, contém em sua composição: proteína, cálcio, potássio, fósforo, vitaminas B2 e B12, e pode servir de veículo para fortificação (Bodot, Soustre, Reverend, 2013; Fernandez, Marette, 2017).

     Os probióticos são microrganismos vivos que, quando ingeridos em quantidades suficientes, promovem efeitos benéficos para a saúde humana. Na população brasileira, a ingestão de iogurte é baixa, pois apenas 6% dos indivíduos consomem iogurte diariamente. Pode-se inferir que este baixo consumo representa uma oportunidade perdida para manutenção de um estilo de vida saudável, frente aos diversos benefícios que a ingestão deste alimento pode proporcionar ao organismo (FIsberg, Machado, 2015).

    São vários os achados sobre os efeitos positivos do consumo de iogurte para a saúde. Dentre eles, observam-se: mecanismos associados à perda de gordura corporal, diminuição da ingestão alimentar (diminuição da fome) e aumento do controle de saciedade; diminuição da resposta glicêmica; alteração da resposta hormonal intestinal; menor consumo de alimentos não saudáveis; microbiota intestinal modificada positivamente; controle de peso corporal e do equilíbrio de energia (Panahi, Tremblay, 2016).

    Em pesquisas realizadas por Zemel e colaboradores me 2000, foi observado a perda média de massa gordurosa de 4,9kg, em um ano de estudo, cuja intervenção foi consumo de uma porção diária de iogurte. E em estudo subsequente, com suplementação de iogurte, foi observado aumento na perda de massa gordurosa total e abdominal em indivíduos obesos (Zemel et al., 2005a). Outros estudos realizados por membros desta equipe também evidenciaram perda de peso em obesos, que apresentavam baixo consumo de cálcio (Zemel et al., 2005b; Zemel et al., 2004). Ainda nesta linha de resultados, estudos mostram que a ingestão regular de iogurte promoveu tanto a manutenção do peso, ao longo do tempo (Wang et al., 2014), quanto perda de peso, quando associado à ingestão de oleaginosas (Mozaffarian et al., 2011).

   Quanto à regulação do balanço energético, diversos trabalhos sugerem que o iogurte pode facilitar este processo. Uma das explicações se refere à limitação da ingestão de produtos de elevada densidade energética, que favorecem o excesso de ingestão de alimentos, pois seu consumo seria substituído pelo iogurte. Alguns estudos também enfatizam que nutrientes como cálcio e proteínas, presentes no iogurte, podem influenciar favoravelmente no controle do apetite. Além disso, o iogurte permite que ingredientes suplementares sejam inseridos, como fibras e bactérias, que também possuem potencial para promover balanço energético negativo. Esses efeitos descritos parecem ser os determinantes da perda de peso observada em consumidores de iogurte por meio de estudos clínicos de intervenção e observacionais (Panahi, Tremblay, 2016; Tremblay, Doyon, Sanchez, 2015).

     Outro aspecto que tem sido largamente estudado é a colonização do trato gastrointestinal por microrganismos benéficos à saúde. Estes criam uma importante barreira entre o meio ambiente e o indivíduo, protegendo-o contra doenças (Galgano et al., 2015). A microbiota intestinal pode ser aumentada quando probióticos são ingeridos em quantidades suficientes para permanecerem viáveis ​​após a passagem pelo trato gastrointestinal (Homayouni et al., 2012). Iogurtes produzidos comercialmente, geralmente, fornecem concentrações adequadas de probiótico, variando de 10 milhões a 10 bilhões de unidades formadoras de colônias por grama para uma porção de iogurte entre 125 e 250 ml (De Vrese, Schrezenmeir, 2008).

     Como forma de auxiliar no equilíbrio da microbiota, pode-se inferir sobre os benefícios da ingestão de iogurte com fruta, pois se tem a ingestão de probióticos e prebióticos em uma mesma refeição. Prebióticos são componentes alimentares capazes de estimular o crescimento e/ou atividade de bactérias benéficas do trato digestivo e dos probióticos. Como exemplos, pode-se citar fruto-oligossacarídeos (FOS), oligofrutose e inulina (Bodot, Soustre, Reverend, 2013).

     Segundo Fuller e Gibson (1997), prebióticos e probióticos desempenham importante papel na modulação da microbiota intestinal. E o efeito simbiótico de combinar probiótico com alimentos prebióticos vem sendo estudado. O termo simbiótico é usado quando um produto contém probióticos e prebióticos, devendo, este, favorecer seletivamente o composto probiótico. Por exemplo: um produto contendo oligofrutose e bifidobactérias probióticas iria cumprir a definição de sinergismo, contrariamente a um produto contendo oligofrutose e Lactobacillus casei (Schrezenmeir, De Vrese, 2001).

     Outro aspecto discutido sobre o consumo de iogurte se refere ao diabetes tipo 2 (DM2). Um estudo espanhol que acompanhou mais de 3000 indivíduos não diabéticos, em uma média de 4,1 anos, constatou que o consumo total de iogurte estava associado a um menor risco de DM2, após ajustes para fatores sociodemográficos, estilo de vida e dietéticos (Díazl-López et al., 2016). Este estudo encontrou ainda um risco reduzido de diabetes após a intervenção, que consistiu na substituição de lanches açucarados por porções de iogurte. Outros estudos observaram relação inversa entre o consumo de iogurte e o risco de DM2 (Aune et al., 2013; O’Connor et al., 2014; Chen et al.,  2014). Portanto, pode-se observar que o iogurte possui propriedades únicas, como suas características de composição nutricional, alta digestibilidade e biodisponibilidade de nutrientes, bactérias que podem afetar positivamente a microbiota intestinal, auxiliando na prevenção de doenças, além de sua matriz alimentar, que pode desempenhar um papel potencial na regulação do balanço de energia, peso corporal e glicemia.

     Mas atenção aos ingredientes usados no iogurte a ser adquirido. O iogurte natural contém apenas o leite e as bactérias utilizadas em sua fermentação (fermento lácteo), sendo considerado um alimento minimamente processado, segundo a classificação do Guia Alimentar para a população brasileira (Brasil, 2014), ou seja, alimento saudável. 

    Iogurtes com nomes de ingredientes indicando aromatizantes, estabilizantes, corantes, e outros aditivos utilizados pela indústria, passam a ser classificados como alimentos ultraprocessados, que de acordo com o Guia Alimentar (Brasil, 2014), deve ser evitado. Então, fique atento ao rótulo do produto e à lista de ingredientes. Veja neste site, também, a maneira de produzir iogurte natural em casa.

Importante: A informação contida neste artigo está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir consulta médica e/ou nutricional. O acesso à informação é um direito seu: fique informado. Agradecemos sua curiosidade e busca por conhecimento. Aguardem nossos novos posts que virão em breve. Atenciosamente, a equipe Projeto Microzinhando.

Referências

Aune D, Norat T, Romundstad P, Vatten LJ (2013) Dairy products and the risk of type 2 diabetes: a systematic review and dose-response metaanalysis of cohort studies. Am J Clin Nutr 98,1066–83.

Bodot V, Soustre Y, Reverend B (2013) Best of 2013: Yogurt Special. French National Dairy Council (CNIEL): Scientific and Technical Affairs Division. http://www.idfdairynutrition.org/Files/media/FactSheetsHP/EXE-EN_BofYogurt.pdf.

Brasil (2014) Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.  Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed., 1. reimpr. – Brasília.

Chen M, Sun Q, Giovannucci E, Mozaffarian D, Manson JE, Willett WC, Hu FB (2014) Dairy consumption and risk of type 2 diabetes: 3 cohorts of US adults and an updated meta-analysis. BMC Med 12, 215.

De Vrese M, Schrezenmeir J (2008) Probiotics, prebiotics, and synbiotics. Adv Biochem Eng Biotechnol 111, 1–66..

Díaz-López A, Bullo M, Martínez-González MA, Corella D, Estruch R, Fito M, Gomez-Gracia E, Fiol M, Garcia De La Corte FJ, Ros E, et al (2016) Dairy product consumption and risk of type 2 diabetes in an elderly Spanish Mediterranean population at high cardiovascular risk. Eur J Nutr 55,349–60.

Fernandez MA, Marette A (2017) Potential Health Benefits of Combining Yogurt and Fruits Based on Their Probiotic and Prebiotic Properties, Advances in Nutrition 8(1), 155–164.

Fisberg M, Machado R (2015) History of yogurt and current patterns of consumption. Nutrition Reviews 73 (1), 4–7.

Fuller R, Gibson GR (1997) Modification of the intestinal microflora using probiotics and prebiotics. Scand J Gastroenterol 32, 28–31.

Galgano F, Condelli N, Caruso MC, Colangelo MA, Favati F (2015). Probiotics and prebiotics in fruits and vegetables: technological and sensory aspects. 1 ed. In: Rai VR, Bai JA, editors. Beneficial microbes in fermented and functional foods. Boca Raton (FL): CRC Press-Taylor & Francis Group.

Homayouni A, Alikhah H, Alizadeh M, Zijah V (2012) Functional dairy probiotic food development: trends, concepts, and products In: Rigobelo EC, editor. Probiotics. Rijeka (Croatia): InTech; 2012. p. 198–212.

Mozaffarian D, Hao T, Rimm EB, Willett WC, Hu FB (2011) Changes in diet and lifestyle and long-term weight gain in women and men. N Engl J Med 364, 2392-2404.

O’connor LM, Lentjes M, Luben R, Khaw KT, Wareham N, Forouhi N (2014) Dietary dairy product intake and incident type 2 diabetes: a prospective study using dietary data from a 7-day food diary. Diabetologia 57, 909-17.

Panahi S, Tremblay A (2016) The potential role of yogurt in weight management and prevention of type 2 diabetes. J Am Coll Nutr 35(8), 717-731.

Pandey KR, Naik SR, Vakil BV (2015) Probiotics, prebiotics and synbiotics-a review. J Food Sci Technol 52, 7577–87.

Schrezenmeir J, De Vrese M (2001) Probiotics, prebiotics, and synbiotics - approaching a definition. Am J Clin Nutr 73 (2), 361-364.

Tremblay A, Doyon C, Sanchez M (2015) Impact of yogurt on appetite control, energy balance, and body composition, Nutrition Reviews 73 (1), 23–27.

Wang H, Troy LM, Rogers GT, Fox CS, McKeown NM, Meigs JB, Jacques PF (2014) Longitudinal association between dairy consumption and changes of body weight and waist circumference: the Framingham Heart Study. Int J Obes 38, 299–305.

Zemel MB, Richards J, Mathis S, Milstead A, Gebhardt L, Silva E (2005a) Dairy augmentation of total and central fat loss in obese subjects. Int J Obes 29, 391–397.

Zemel MB, Richards J, Milstead A, Campbell P (2005b) Effects of calcium and dairy on body composition and weight loss in African-American adults. Obes Res 13, 1218–1225.

Zemel MB, Shi H, Greer B, Dirienzo D, Zemel PC (2000) Regulation of adiposity by dietary calcium. FASEB J 14, 1132–1138.

Zemel MB, Thompson W, Milstead A, Morris K, Campbell P (2004) Calcium and dairy acceleration of weight and fat loss during energy restriction in obese adults. Obes Res 12, 582–590.

Sobre o autor

© 2020 por Microzinhando. Orgulhosamente criado com Wix.com